English Arabic Chinese Simplified Chinese Traditional Farsi French German Italian Japanese Korean Polish Portuguese Russian Spanish Thai Turkish



Education is not the filling of a pail, but the lighting of a fire. - William Butler Yeats
RECRUITER LOGIN    |   REGISTRE-SE   |   CONTATE-NOS   |   MAPA DO SITE

Geografia do Canadá

Canadian Flag, Vancouver English Centre, Vancouver Canada

Ocupando a parte setentrional do continente norte-americano, o Canadá tem 9.970.610 km² de extensão territorial, o que o torna o segundo maior país do mundo depois da Rússia. De leste a oeste, o Canadá possui seis fusos horários.

O lema do Canadá "De mar a mar" é geograficamente incorreto. Além dos litorais do Atlântico e Pacífico, o Canadá tem uma terceira costa no Oceano Ártico, o que faz dele o país de maior costa do mundo.

Ao sul, o Canadá divide uma fronteira de 8.892 km com os Estados Unidos. Ao norte, as ilhas árticas ficam a 800 km do Pólo Norte. Além do Oceano Ártico, a Rússia é a vizinha do Canadá.

Devido ao severo clima do norte, somente 12% da terra são apropriados à agricultura. Assim, a maior parte da população de 27 milhões vive dentro de umas poucas centenas de quilômetros da fronteira meridional, onde o clima é mais ameno, em uma longa faixa estreita que se estende entre os oceanos Atlântico e Pacífico.

Se você voar, no verão, sobre Manitoba ou sobre o norte de Ontário, verá mais água do que terra. São tantos lagos - grandes e pequenos - que não poderiam ser contados. Estima-se que o Canadá tenha um sétimo da água doce do mundo. Além dos Grandes Lagos, que o Canadá compartilha com os Estados Unidos, há também grandes rios e lagos.

O Canadá é dividido em sete regiões, cada uma com um clima e paisagem diferentes.

1. A Costa do Pacífico

Banhada pelas correntes quentes e úmidas do Pacífico, a costa da Colúmbia Britânica, entalhada por grandes fiordes e protegida das tempestades do Pacífico pela Ilha de Vancouver, tem o clima mais moderado das regiões do Canadá.

A costa oeste da Ilha de Vancouver tem índices pluviométricos excepcionais, o que faz com que tenha clima de floresta tropical. Embora não tenha a diversidade de espécies de uma floresta tropical, a costa oeste da ilha tem as árvores mais antigas e altas do Canadá: os cedros vermelhos de 1300 anos e os abetos de Douglas com 90m de altura.

2. A Cordilheira

Da Colúmbia Britânica até o leste da fronteira de Alberta, o terreno é jovem, com montanhas escarpadas e altos platôs. Sinais de atividade vulcânica recente podem ser observados no Parque Provincial de Garibaldi, ao sul e no Monte Edziza, ao norte.

As Montanhas Rochosas, a Cadeia da Costa e outras cadeias de montanhas que vão de norte a sul, representam grandes problemas de engenharia para os construtores da ferrovias e rodovias transcontinentais. Os picos mais altos do Canadá, entretanto, não se encontram nas Rochosas, mas nas Montanhas Sto. Elias, uma extensão da cordilheira que se estende em direção so norte, através de Yukon e Alasca. O ponto mais alto do Canadá, o Monte Logan (6050 m), que surge no meio de um imenso campo de gelo, na parte sudoeste de Yukon, é a maior calota glacial ao sul do Círculo Ártico.

O interior da Colúmbia Britânica varia de campos alpinos cobertos de neve a vales profundos, onde prevalecem condições parecidas com as do deserto. Ao lado das montanhas, por exemplo, acontece um efeito chamado de rain-shadow (área sem chuva), forçando os fazendeiros a irrigar seus pomares e vinhas.

3. As Pradarias

Percorrer as Pradarias é ver campos infinitos de trigo e canola sob um céu que parece não ter mais fim. As planícies de Alberta, Saskatchewan e Manitoba estão entre as mais ricas regiões produtoras de grãos do mundo.

Entretanto, até aqui há surpresas. Se você deixar a estrada em Brooks, Alberta, e dirigir-se ao norte, chegará até o vale do Rio Red Deer. Aqui, sob condições desérticas, a água e o vento criaram estranhas formas no arenito chamadas de "hoodoos". As mesmas forças da erosão expuseram as maiores concentrações de fósseis de dinossauros do mundo.

Alberta é o maior produtor de petróleo do Canadá. As rochas sedimentárias abaixo das pradarias têm importantes depósitos de petróleo, gás natural e potássio.

4. O Escudo Canadense

O enorme mar interno chamado de Baía de Hudson estende-se pelo coração do Canadá e em torno dessa baía encontra-se uma região rochosa, chamada de Escudo Canadense.

Sendo o maior traço geográfico canadense, o Escudo estende-se a leste até Terra Nova e Labrador; ao sul até Kingston, no Lago Ontário e a noroeste por todo o Oceano Ártico.

O Escudo é considerado o núcleo do continente norte-americano e provém de antigas formações montanhosas. Suas rochas de gnaisse e granito têm 3.5 milhões de anos, três quartos da idade do planeta. Corroído pelo avanço e retrocesso dos glaciares, o Escudo tem apenas uma fina camada de solo que sustenta uma floresta boreal de abetos, lariços e pinheiros.

A região constitui-se em um depósito de minerais, incluindo o ouro, a prata, o zinco, o cobre e o urânio e as maiores cidades minerais do Canadá são Sudbury e Temmins, em Ontário; Vale d'or, em Quebeque e Flin Flon e Thompson em Manitoba.

5. Os Grandes Lagos - A Região do Rio São Lourenço

O sul das províncias de Quebeque e Ontário, o coração industrial do Canadá, possui as duas maiores cidades do país - Montreal e Toronto. Nesta pequena região, vivem 50% dos canadenses e 70% dos produtos manufaturados são produzidos lá.

A região também compreende excelentes terras férteis, como a Península de Niágara. As grandes extensões dos lagos Erie e Ontário aumentam o número de dias amenos, permitindo o cultivo de uvas, pêssegos, pêras e outras frutas.

A região dos Grandes Lagos e do Rio São Lourenço é a terra do bordo sacarino. No outono, as folhas das árvores (símbolo nacional do Canadá) adquirem tons de vermelho, alaranjado ou dourado bem vivo. Na primavera, a seiva é retirada destas árvores e é evaporada a fim de se fazer o xarope e o açúcar de bordo, uma delícia culinária que já era preparada e usada pelos nativos.

6. As províncias do Atlântico - Os Apalaches

Novo Brunswick, Nova Escócia, a Ilha do Príncipe Eduardo e Terra Nova são as menores províncias canadenses e foram as primeiras áreas colonizadas pelos europeu. Evidências de contato, remontando ao ano 1000 A.D. foram encontradas em um assentamento nórdico, em l'Anse aux Meadows, na província de Terra Nova.

Os Grand Banks foram chamados de os "trigais" de Terra Nova e Labrador. Esse banco de areia estende-se por 400 Km ao longo da costa leste, onde a mistura de correntes marítimas criou uma das regiões mais ricas de peixes do mundo. Os Grand Banks, uma vez considerados um manancial virtualmente inesgotável de peixes, são hoje vistos como um recurso natural vulnerável, que exige criteriosa administração.

As províncias do Atlântico são uma extensão dos Apalaches, uma antiga cadeia montanhosa. A maior parte da região é constituída de colinas e platôs escarpados e de um litoral profundamente recortado. A agricultura floresce nos férteis vales, tais como o Vale do Rio St. John, Novo Brunswick e o Vale de Anápolis, na Nova Escócia.

A Ilha do Príncipe Eduardo, no Golfo do Rio São Lourenço, tem uma paisagem suavemente ondulada, com um rico solo vermelho. Esta terra fértil é a menor província do Canadá, constituindo apenas 0.1% do território.

7. O Ártico

Ao norte da floresta está uma terra de beleza selvagem. Durante o curto verão, quando a luz do sol brilha quase continuamente e uma abundância de flores desabrocham na tundra, as temperaturas podem atingir os 30°C. Entretanto, o inverno é longo, gelado, escuro e cruel.

O Ártico não é mais uma fronteira intransponível. Pode-se chegar a Inuvik, no delta do Rio Mackenzie, de carro e cada comunidade é atendida por via aérea. A maioria delas tem eletricidade, lojas e serviços de saúde.

Ao norte do continente, encontramos um labirinto de ilhas separadas por canais e braços de mar, o mais famoso deles forma a fabulosa Passagem Noroeste, a rota para o Oriente tão procurada pelos exploradores.

Refletindo uma crescente autonomia, os nativos Inuit (antes conhecidos como Esquimós) estão mudando os nomes de lugares para palavras da sua própria língua, o inuktitut. Por exemplo, o povo da Baía de Frobisher, na Terra de Baffin decidiu mudar o nome da sua comunidade para Iqualuit, que significa "lugar de peixe".

Museus Vivos

Explorar a geografia canadense pessoalmente é sempre muito melhor do que ler a respeito. Os parques nacionais e provinciais do país apresentam todas as formas naturais da terra e preservam a fauna nativa dessas regiões: do Ponto Pelée, paraíso dos observadores de pássaros migradores, que fazem do parque ponto de parada ao cruzarem o Lago Erie, aos glaciares e fiordes de Auyuittq ("a terra que nunca derrete"), na Terra de Baffin; da floresta tropical da Ilha de Vancouver aos penhascos escarpados e planaltos de Gros Morne, no oeste de Terra Nova.

Grandes ou pequenos, os parques canadenses são museus vivos, tão diversos, vastos e fascinantes como o próprio Canadá.

Fonte: Consulado Geral do Canadá em São Paulo